Museus em Amsterdam: quantos e quais visitar

Quantidade x qualidade: como decidir a quantos museus ir por dia.

Gay Pride Amsterdam

5 motivos para não perder a grande festa em Amsterdam.

[Crônica] Comer, rezar e amar

na cidade da luz: Paris!

16/09/2014

Bij Babette Haarlem: chá inglês e o melhor bolo de cenoura da vida (com receita)

Que Haarlem é a minha cidade do coração, todo mundo sabe - já mostrei aqui como a cidade é linda. Alé de ter as  casinhas holandesas mais fofas, as pessoas são simpáticas, o ar da cidade é diferente, a vida noturna é animada, é onde a maioria dos meus amigos holandeses moram, tem algumas das melhores lojas da Holanda, com muitas opções,  e muuuuitos cafés bacanas. 
Era nesse ponto que eu queria chegar: cafés!

Eu confesso que não sou fã de chá como os holandeses são (eu só tomo do de Vanille Rooibos), mas um café bem feito é "tudodebom". Há quem diga que os holandeses não sabem o que é um bom café. Porém, essa informação é bem contraditória, pois eu já tomei vários deliciosos em alguns lugares na Holanda. 
Certa vez, conversando com uma amiga, ela fez um convite meia boca (em resumo, falou que ia varificar na agenda dela um dia disponível para agendarmos) para um chá da tarde. Disse ela que era excelente, com várias opções de chás bem exóticos, comidinhas deliciosas e com um café muito bom.

Eu ainda estava na época que não acreditava no bom gosto dos holandeses para café. Também sendo anti-chá, não lembrei do convite - na verdade, eu fiz questão de esquecer, com medo de ir e não gostar de nada. Me encontrei com essa amiga várias outras vezes, ela sempre falava do café, mas nunca fomos no lugar.

Certo dia, voltando de um dia de trabalho em Rotterdam, andando da estação de Haarlem até em casa, uma casinha roxinha, com janelinhas amarelinhas, e mesinhas na porta me chamou atenção de longe. Minha paíxão por casinhas me fez atravessar a rua e passar na frente. Parei. O que me convidou mesmo a entrar foi a vitrine cheia de bolos e delícias - imaginem um cachorro na frente de um açougue: sou eu na frente de uma vitrine de doces. 

O lugar estava lotado e, mesmo eu querendo muito aproveitar o sol que estava fazendo e sentar em uma das mesinhas na calçada, tive que sentar lá dentro. Fui atendida pela simpatissíssima Sarah, que é dona do lugar, e descobri que o Bij Babette, mesmo com o nome holandês, nada mais era do que um café inglês, porque ela é inglesa, mas casada com um holandês. Olhei para a quantidade de chás do cardápio, e logo lembrei da minha amiga. Resolvi pedir um cappuccino e pedi uma sugestão de bolo. A Sarah falou que o sucesso da casa é o bolo de cenoura. Pedi uma fatia.

Minha amiga tinha razão: o café é excelente. Mas, o que me deixou apaixonada pelo lugar foi o bolo de cenoura. Diferente dos bolos de cenoura que encontramos no Brasil, o bolo de cenoura inglês não tem aquela calda de chocolate / brigadeiro, e sim uma cobertura de cream cheese e açúcar. Além disso, o bolo leva, além de cenoura, especiarias, como canela e nozes.

A fatia é bem servida e dá, tranquilamente, para dividir com duas pessoas. Foi amor a cada pedacinho do bolo. 

O chá da tarde tradicional inglês também vale a pena. Você paga 22,50 euros por pessoa, e você tem direito ao chá (a sua escolha) a vontade, com sanduichinhos, geléias, alguns doces, os chamados scones ingleses e tortinhas. 

Os chás te nomes engraçados: porção do amor, a decadência de Daiana, príncipe charmoso, etc. 
Detalhe é que tudo lá é servido em louças inglesas antigas. Um amor!

Então já sabe: vindo para Haarlem aproveitar a feira na praça central aos sábados?! Vá na feira, faça as suas compras e, no caminho para a estação, peça pela deliciosa torta de cenoura do Bij Babette, é possível nos encontrarmos por lá!

Bij Babette
Kruisstraat 31 - Haarlem
http://www.bijbabette.com/


E, para quem não pode vir para a Holanda nesse momento e provar essa delícia inglesa, compartilho uma excelente receita da Nigella de Bolo de Cenoura Inglês.

Ingredientes


Para o bolo de cenoura 
300 gramas de farinha com fermento 
¼ colher de chá de fermento em pó 
¼ colher de chá de bicarbonato de sódio 
1 colher de chá de canela em pó 
½ colher de chá de cravo em pó 
¼ colher de chá de noz-moscada ralada
1 pitada de sal 
4 ovos 
335 ml de óleo de girassol 
450 gramas de açúcar 
125 gramas de cenouras raladas 
140 gramas de nozes picadas
2 colheres de sopa de água fervente 

Para a cobertura 
175 gramas de manteiga sem sal 
200 gramas de cream cheese 
215 gramas de açúcar de confeiteiro 

Modo de fazer

Unte duas formas de fundo falso de 23 cm de diâmetro. 
Dica: Uma técnica legal é cortar um pedaço de papel manteiga com o tamanho do fundo da sua fôrma, para ajudar na hora de tirar o bolo (ele não vai grudar no fundo da fôrma. Você corta o papel manteiga, passa manteiga no fundo da sua forma, coloca o papel em cima, e depois unta a forma. Se você não quiser fazer isso, é só untar a fôrma normal.

Peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato, as especiarias e o sal. 
Separe 2 dos 4 ovos. Você vai utilizar 2 ovos inteiros e duas gemas na primeira parte. 
Em uma tigela grande bata o óleo e o açúcar. Adicione os ovos inteiros, um de cada vez, bata bem a mistura antes de adicionar as duas gemas. Mexa bem e adicione a cenoura ralada e as nozes picadas. Adicione a farinha aos poucos e, em seguida, a água fervente. 

Em outra tigela, bata as claras em neve até a fase de pico. Adicione-a massa devagar, para não perder o ar das claras (esse é o segredo do bolo ficar fofinho). 

Divida o bolo entre as duas fôrmas. Asse por 45 minutos ou até que um palito inserido no centro do bolo saia limpo. Deixe os bolos esfriar antes de removê-los das fôrmas. 

O modo de fazer a cobertura é só juntar todos os ingredientes e mexer até que a mistura fique uniforme. Mantenha a cobertura na geladeira até que o bolo esteja frio. 

A cobertura você pode usar como recheio, entre um bolo e outro. Se você quiser fazer um bolo só, sem recheio, é só fazer metade dessa receita.
Por causa da cobertura, é preferível que você mantenha o bolo dentro da geladeira.

A receita original você pode ver clicando aqui.

12/09/2014

Seguro Mondial Assistance: descontos super especiais para os leitores


Seguro viagem é tão importante quanto uma passagem aerea.
Você sabia que alguns países exigem que você tenha um seguro para que você possa entrar no país? Quer um exemplo?! A União Europeia exige que você tenha um seguro com cobertura de no mínimo 30.000 euros. Caso você não tenha, pode ser deportado.
Um seguro durante uma viagem é tão importante quanto a passagem aerea. Por que? Bem, se acontecer qualquer coisa com você - uma dor de barriga, uma queda, um emergência médica, o seguro vai pagar. 
A cobertura - ou melhor, o valor total das suas despesas que o seguro vai pagar - vai depender de qual você contrata. Por isso, uns são mais caros e outros mais baratos, ou seja, uns cobrem mais gastos, outros menos. Tem seguro que cobre até as desepesas que você tiver caso sua bagagem seja extraviada.

Como vocês já sabem, só indicamos aqui serviços que já utilizamos, e que tivemos uma boa experiência. 

A novidade é que agora contamos com um novo e excelente parceiro: a Mondial Assistance.
A empresa é líder no mercado de seguros e está presente em quase todos os continentes.

Eu nunca precisei utilizar seguros durante nenhuma das minhas viagens (Graças a Deus), mas em algumas delas já contratei o seguro da Mondial. Precisei tirar algumas dúvidas, e eles sempre foram muito solícitos. Por isso, fiquei feliz com a proposta de parceria, já que estou compartilhando algo que já contratei e fiquei satisfeita com o atendimento.

E já começamos com o pé direito: a Mondial está oferecendo um desconto de 15% para os leitores do Entretulipas.

É só clicar nesse link aqui e contratar o seu seguro.

No fim, eles pedem um código promocional. O código de Setembro é o: SET14MONDIAL
(Válido até 30/09/2014)

Mensalmente divulgaremos um novo código de desconto aqui.
Comprando pelos links do blog, você consegue desconto e ainda nos ajuda, sem pagar nada a mais por isso.

Por isso, vai viajar?! Não esqueça de fazer o seguro para a família inteira.

Clique aqui e faça o seu e de toda a família.

Siga-nos:
Instagram Entretulipas




Reserve seus hoteis aqui:

10/09/2014

6 experiências gastronômicas imperdíveis em Paris

Paris... ah, Paris!
Esse ano eu decidi que queria ter um aniversário especial, ter uma experiência completa em uma das cidades que mais gosto no mundo: Paris.
Como eu contei na crônica, você não precisa ser a Elizabeth Gilbert para Comer, Rezar e Amar. Basta estar feliz, em um lugar apaixonante, bem acompanhada e comer bem. E foi assim comigo em Paris.

As alucinadas por dietas que me perdoem, mas comer é uma das coisas mais divertidas da vida. Seja pelas diferentes sensações que uma boa comida pode te oferecer, seja pela companhia e os papos, durante uma refeição, seja pelo perfume dos temperos, seja pelas diferentes texturas, seja pelo visual do  seja pelo som do ambiente ou, até mesmo, do som emitido pela comida (quem nunca se apaixonou pelo som da casquinha do crème brûlée quebrando... hummm), uma boa refeição aguça os sentidos, te deixa mais feliz, e ainda permite que você conheça mais a cultura de um lugar. Experimente a cultura.

Eu gosto de descobrir lugares diferentes para comer, mas não custumo parar em qualquer lugar, fujo das roubadas preparadas para os turistas. Exemplo: restaurantes caríssimos, em lugares muito turísticos, e com comidas péssimas. Tipo assim: pega besta. Corro para bem longe desses lugares. Como? Antes de viajar, pesquiso e leio blogs, tripadvisor, revistas e guias. Procuro lugares onde eu possa ter as experiências que descrevi acima: ótima comida, preço justo, excelente sabor, quantidade, aroma, e numa boa companhia (de pessoas e vinhos!).

Tem sabores que te decepcionam? Claro que sim, em todo lugar. Quem nunca olhou para aquela belíssima fatia de torta na vitrine e teve uma decepção na primeira garfada?! Porém, nesse post eu separei o crème de la crème, ou seja, o melhor. 6 experiências que não dá para ir para Paris e não fazer, pelo menos, três delas.
Fato: alguns dessas experiências não são as mais baratas. Porém, são como ir à Paris e não ir na Torre Eifel. Captou?! Apenas um aviso: cuidado para não babar muito com as descrições e fotos (conselho de amiga!).

1)Deliciar-se com o menu completo na Carette (e, de sobremesa, os melhores macaroons de Paris)

Comemorei meu aniversário nesse restaurante, e não tenho dúvida de que a escolha não poderia ter sido melhor. Pratos bem servidos - detesto aqueles restaurantes que vem pouca comida e preço lá nas alturas, que você sai com fome -, extremamente bem temperados, com um aroma incrível, com mesinhas na calçada, um bom vinho, excelente companhia. Não podia atender todos os meus requisitos de uma boa comida.

Segundo a fonte de onde eu tirei a indicação, o Carette é um lugar super francês e frequentado por franceses. E, de fato é mesmo. 
E, são eles que consideram os macarons do lugar como os melhores de Paris. Hummm... minha resposta?! Como são! É de comer rezando e com pena de acabar. Crocantes e extremamente saborosos. Cada um melhor do que o outro. Meus favoritos foram os de pistache e o de baunilha.

Além de jantar, eles têm chá da tarde e café da manhã.

Carette - $$
Tem em dois endereços, mas o mais lindo fica no Trocadero.
No site deles dá para ver o Menu com todos os preços.
Endereço: 4 place du Trocadero
http://www.carette-paris.fr/

2)Parar em uma padaria, comprar e comer Pães parisienses fresquinhos

Sinto te decepcionar, mas o pão francês que você compra na padaria perto da sua casa não é francês, é brasileiro. Porém, os pães realmente franceses vão te surpreender, no melhor dos sentidos. Sabe aquele croissant que você comeu e pensou que era gostoso? E uma daquelas enormes baguetes, que você compra para fazer bruschetta? E aqueles pães cheios de chocolate dentro.
Então, na França você encontra os mais deliciosos, e é a segunda experiência imperdível: não dá para ir na França e não provar pelo menos um pão genuinamente francês.
Pãezinhos delícia <3 td="">

Padarias - $
São centenas e milhares de padarias na cidade. Porém, se você quer comer o melhor baguete, vai ter que sair um pouco do centrão, e ir até o 14e arrondissement. A boulangerie Ridha Khader (nome do padeiro fundador, que nasceu na Tunísia) foi eleita, em 2013, a melhor padaria de Paris.
Endereço: 156 rue Raymond Losserand

Já para os que querem algo tão bom quanto, e mais perto do centro, a 134 r.d.t. também tem pães de comer rezando. Hummm
Endereço: 134 rue Turenne 
Ou delicie-se em qualquer padaria da cidade, que o pão não vai ser tão bom quanto o desses lugares, mas garanto que será uma experiência única. 

3)Tomar Café da manhã no Angelina (com o mais delicioso e cremoso chocolate quente do mundo)

Foi um dos primeiros lugares que coloquei na lista. Tinha que ir. Precisava ir. Não por causa da fama, mas por causa da história. O Angelina tem 110 anos, e tinha que existir um motivo muito forte para a cafeteria ser tão conhecida e tão boa até hoje. E não faltam motivos para isso. Macarons, doces, chás, pães, etc, etc, etc. Porém, o que você não pode sair de lá sem provar é o chocolate quente deles. Gente, eu nunca vi nada tão cremoso e tão gostoso. É, literalmente, um chocolate derretido dentro de um bule. Hummm.

Angelina Paris - $$
Você encontra o Angelina em vários endereços, inclusive dentro do Louvre. Na hora de programar a viagem, vale a pena dar uma olhada no que vai estar mais próximo do seu roteiro. 
Eu fui no endereço mais antigo. E que lugar lindo. A decoração é bem antiga, mas com o salão repleto de orquídeas roxas.
Dicas: Quando eu fui não estava cheio, mas dizem que lota. 
Fique de olho no troco! A garçonete nos passou o troco errado (faltando), não conferiu e, foi atender outra mesa. Quando conferimos, estava faltando 50 euros (!!!). Pedimos o restante, ela duvidou, e acho que estávamos passando a perna nela, mas no fim devolveu. 


E a última dica é que o café da manhã deles é individual, mas peça um para cada duas pessoas e outras delícias avulsas. Assim você consegue provar de várias coisas. No site deles tem o cardápio com os preços.
Endereço: 226 rue de Rivoli
http://www.angelina-paris.fr/fr/

4)Provar - e repetir - todos os sabores de Macarons da Pierre Hermés

Esses você provavelmente já ouviu falar. Depois do Ladurée, são os mais famosos macaroons parisienses. Eu, honestamente, não gosto dos Ladurée. Acho que são artificiais, e bem o que eu falei no início do post: pega turista. 
Os macarons Pierre Hermé são populares, mas não tem tantas lojas, e o sabor é incrível, São crocantes, conseguem misturar sabores - e, incrivelmente, conseguimos sentir cada sabor - de uma forma harmônica. Ah... que delícia!

Fui tão bem atendida na loja - o que é quase um milagre, tratando-se de Paris -, que deu vontade de levar tudo (não só por causa do sabor).

Macaroons Pierre Hermé - $$
Vários endereços, inclusive dentro da Galeries de Lafayette. Visitei a que fica aqui:
Endereço: 39 avenue de l'Opéra
http://www.pierreherme.com/

5)Vender a mãe só para provar um dos Chocolates do Jean Paul Hevin

Tá, tá bom, não precisa vender a mãe, é só uma brincadeirinha (até porque eu não vendo a minha nem por todo dinheiro do mundo), mas são para ilustrar o quanto os chocolates Jean Paul são caros, porém o valor vale cada centavinho investido pelo sabor. Meus olhos brilhavam ao olhar as vitrines da loja.
Eles têm verdadeiras obras de arte. Eu passei bem uma hora para escolher o que ia levar, não só pelo preço salgado, mas pela variedade. 
A Hevin também tem macaroons, mas preferi provar vários sabores de chocolate (pistache, amendoas, ao leite, 70% cacau, e nozes). Dica: mantenha os chocolates acondicionados, porque eles derretem com bastante facilidade (no meu caso, derreteram mesmo à temperatura de 20 graus).

Jean Paul Hevin - $$$
Tem em vários lugares, mas nada mais chique do que visitar a loja do quadrilátero da moda.
Endereço: 231 rue Saint Honoré
http://www.jeanpaulhevin.com/en

6)Comer Crème Brulée em um restaurante da cidade
Uma das mais tradicionais sobremesas francesas, não dá para sair da França sem provar pelo menos uma vez. É uma delícia quebrar aquela fininha camada de açúcar queimado com a colher e deliciar-se com o creme de baunilha.
Não há como indicar um lugar específico para comer o melhor crème brûlée da cidade. Eu comi em vários restaurantes, mas o que eu mais gostei foi em um restaurante na Champs Elysées, quase na frente da Sephora (que descobrimos por acaso, numa tentativa de fugir da chuva terrível que estava caindo).

Crème Brûlée - $
Endereço: Em - quase - todos os restaurantes da cidade.


Dica extra: visitinha ao Monoprix.
Eu, como uma boa amante de supermercados, não poderia deixar passar essa dica.
Uma das melhores redes de supermercado da França é o Monoprix ($$). Nas lojas você encontra produtos de qualidade, como queijos, vinhos, temperos, biscoitos, e que valem desfrutar no hotel ou levar para casa. Ah, a parte de não alimentos deles é excelente também (vi algumas roupas e acessórios bem bacanas, e uma variedade boa de marcas de beleza).
O Carrefour ($) é francês, mas fica em regiões mais afastadas do centro turístico e, consequentemente, são mais difíceis de chegar. Mas, se estiver perto ou passar por um, também vale a visita. Os preços são mais em conta do que a rede Monoprix. 
Antes que me perguntem, gosto de supermercados por achar também uma maneira de conhecer a cultura, os hábitos alimentares, novidades e, claro, de levar comigo um pouco dos sabores dos lugares. #aloucaporsupermercados #amosupermercados

Alguns dos lugares acima você pode experimentar fora da França. Pode mesmo, mas te garanto que não vai ser a mesma coisa.




Procurando hotel em Paris? Reserve aqui:


Siga-nos:
Instagram Entretulipas

04/09/2014

Paço do Frevo: visita para se "embriagar" de frevo.

Dentre muitas, uma das grandes heranças que a escola me deu foi o estímulo a conhecer mais minha cidade natal. Fazíamos, com bastante frequência, passeios culturais, e lembro de sempre estudar tópicos relacionados a Pernambuco. Desde criancinha sei cantar o hino do meu Estado, e me orgulho disso.
Muitas vezes, deixamos de conhecer o lugar que moramos por preguiça. Quantas e quantas vezes pensamos: está ali tão disponível e tão fácil. E aí acabamos deixando para depois, depois e depois...
Já peguei muita gente dizendo que não tem nada para fazer na própria cidade, quando há centenas de opções de passeios e programas legais, muitos até gratuitos.

Eu sempre tive o maior prazer de, independente de onde estou morando, mostrar um pouco do que a cidade têm a oferecer para meus hóspedes (seja em Recife, seja na Holanda).

Ir a Pernambuco é sinônimo de: tapioca, praia, Porto de Galinhas, Noronha, Carnaval, Maracatu, bonecos de Olinda, Frevo,... 
E era nesse ponto que eu queria chegar: frevo! Vou dizer...Todo pernambucano que se preze sabe pelo menos algum passinho de frevo, nem que seja o saci! Porém, alguém aí sabe onde e quando o frevo surgiu? 
Quais os principais elementos do frevo?
E quais os nomes dos passos para dançar frevo?


O Paço do Frevo é um dos 5 lugares imperdíveis em Recife para visitar. Tipo assim: tem que ir! 
O espaço é novo (foi inaugurado no dia do frevo, dia 9 de fevereiro de 2014), e é um lugar fantástico, bem no centro antigo do Recife, em um prédio com características holandesas - baixo e com janelas longas. 



Diferente do que muita gente pensa, o Paço do Frevo não é só um museu, mas um espaço cultural, que conta aulas de dança - algumas, inclusive, gratuitas -, escola de música, um centro de documentação e um café.


Ao entrar no espaço você sente que o frevo entra na sua veia e, a todo instante, você tem uma vontade de dançar.


Estandartes de dois blocos famosos do Recife e de Olinda

A exposição permanente deles conta um pouco da história do frevo, através de uma linha do tempo, tem vários estandartes dos blocos pernambucanos, e centenas de fotos do melhor e mais animado carnaval do mundo, o de Pernambuco.




Nas janelas do edifício, trechos dos mais diversos frevos.



Além disso tudo, tem um enorme glossário, com o significado de várias palavras do carnaval. O nome frevo, por exemplo, vem da palavra fervo, e muitos dos passos lembram a capoeira.





Horário de Funcionamento e Ingresso
Fecha as segundas.
Terças, quartas e sextas, das 9h às 18h.
Às quintas feiras fica aberto até mais tarde, das 9h às 21h.
Sábados e domingos têm um horário mais curto, das 12h às 19h.
Lembrando que às terças a entrada é gratuita. Nos outros dias, você paga uma taxa de R$ 6,00 para entrar (estudante paga meia).



Onde?
Praça do Arsenal, S/N
Recife Antigo










Aula de frevo gratuita - É pra sair de lá frevando! ;)

Todas as inforamções (inclusive programação dos cursos) estão disponíveis no site deles:
http://www.pacodofrevo.org.br/


Fotos: Entretulipas

Siga-nos:
Instagram Entretulipas

21/08/2014

[Beauté] ... na Holanda

Loiras, altas e de olhos claros. Esse é o padrão das holandesas.
Cabelos desarrumados?!
É quase uma unanimidade.
As holandesas preocupam-se sim com a beleza, até porque elas vivem quase que 100% do ano em uma das estações mais charmosas: o inverno. Eu arriscaria dizer que é uma beleza bem minimalista: elegantes com pouco.

Look típico em dias de temperaturas abaixo dos 20 graus - Foto: Dutch Street Fashion

Eu diria que a Máxima, mesmo sendo Argentina, é um exemplo do padrão de beleza das holandesas.
Note o cabelo desarrumado.
Note o cabelo desarrumado, mas a maquiagem bem simples, e o casaco impermeável.  Nessa foto ela estava no Brasil para a Copa do Mundo - Foto AOL.

No make, o destaque sempre é para os olhos. Muitas vezes pouca sombra, mas sempre um blush e muito rímel.
Makeup de uma amiga holandesa (makeup from a good dutch friend) : Gloss, blush e muito rímel.
As roupas, de uma forma geral,  não tem muito brilho, e sempre em cores mais sóbrias - preto, roxo, marrom, cinza. Calça skinny ou flare e legging são itens encontrados no guarda roupa de todas as holandesas.

Saias e saltos estão sempre presentes, mesmo no inverno, quando elas usam bastante com meia calça, e os saltos aparecem nas botas, não sendo um empecilho para usar com as bicicletas.

As poucas cores do inverno, outono e primavera aparecem nas scarfs e lenços, que elas usam muito ou, quando não estão no pescoço, levam na bolsa, já que o clima no país é bem instável.

Um colete para esquentar quente é item essencial no guarda roupa, além de, claro, um bom casaco impermeável, já que chove muito.

Look de primavera / verão da Rainha Máxima. Salto e saia não é um problema para andar de bike! - Foto: Daily Mail
Nos poucos dias de calor por ano elas variam entre os shorts e as saias, sem meia calça, e chinelos. As havaianas são algo que elas adoram, mas nem todo mundo tem por ser bem caro.
Modelito básico das holandesas em dias quentes: saias e rasteiras - Foto: Dam Style

Lembrando que não é um padrão. Na maiores cidades, por exemplo, você vai encontrar pessoas de todas as nacionalidades, vestidas e maqueadas de todas as formas.
Eu adoro ver os sites de streetstyle (moda das ruas). Neles você pode ter uma ideia de tudo o que eu falei e ainda buscar algumas inspirações nas holandesas e holandeses. :)

Fashion bloggers holandeses:
http://fashionblognl.blog.com/
http://damstyle.blogspot.com.br/
http://www.allaboutthestyle.net/p/dutch-fashion-blogs.html

Siga-nos:
Instagram Entretulipas