Museus em Amsterdam: quantos e quais visitar

Quantidade x qualidade: como decidir a quantos museus ir por dia.

Gay Pride Amsterdam

5 motivos para não perder a grande festa em Amsterdam.

[Crônica] Comer, rezar e amar

na cidade da luz: Paris!

quarta-feira, 30 de julho de 2014

[Beauté] Os essenciais para levar na mala de mão em viagens internacionais

Eventualmente amigas, parentes e leitoras me escrevem para tirar dúvidas sobre malas em geral. Uma das questões mais frequentes é o que e como levar na bagagem de mão em viagens internacionais, por causa de todas aquelas restrições de segurança dos aeroportos.
Recentemente eles aumentaram as exigências e agora, para muitos aeroportos da Europa e para entrar nos EUA, você precisa estar com todos os seus aparelhos de telefone, tablets e computadores carregados. Caso contrário, você não poderá embarcar. #ui

Para ser sincera, eu não me incomodo nem um pouco com essas exigências que os controles dos aeroportos fazem. Ao contrário, eu gosto, pois eu me sinto mais segura. Acredito que mesmo que eles não tenham como controlar tudo, pelo menos alguma coisa eles barram.

Bom, mas eu falo isso porque eu nunca fui alvo de qualquer tipo de suspeita, então nunca passei por uma revista mais séria. Pode ser que eu mude de opnião caso um dia isso aconteça.

Enfim, tudo isso para explicar que os controles que eles fazem, de mandar colocar os líquidos em saquinhos transparentes, de não embarcar com comida aberta, e nem objetos cortantes e perfurantes, e nem com frascos com mais de 200 ml são medidas importantes de segurança para os passageiros e para os países.
Por isso, temos que ter o maior cuidado ao arrumar a mala de mão para não termos que jogar fora algum item que colocamos dentro bem na hora do embarque ou para evitar situações constrangedoras de revistas mais íntimas.

Quando eu viajo, seja para perto ou longe, eu sempre procuro vestir uma roupa confortável e que, ao mesmo tempo, eu me sinta arrumadinha.

A gente fica horas dentro do avião, na maior parte do tempo sentados, em cadeiras super estreitas - sou alta, tenho 1,75m, eimaginem como é apertado para mim - e com o ar seco. Só é bom porque a gente está indo para algum lugar, né não?!

Por isso, me preocupo em buscar o máximo de conforto possível, vestindo roupas mais leves, sapatos fáceis de tirar e confortáveis - legging, sapatilha, camiseta e um blazer de malha é minha farda -, e levando comigo itens que me ajudem a proporcionar um conforto maior, procurando não carregar muito peso.



Não concordo com aquelas pessoas que levam dois, três volumes como bagagem de mão. Sério, já vi gente com uma mala, com uma sacola, uma mochila e mais a bolsa de mão.
Isso acaba atrasando a entrada de todo mundo no avião, sem falar que ocupam o espaço todo das bagagens dentro do avião.

A regra é simples: leve na bagagem de mão apenas aquilo que não pode ir na bagagem despachada e o que você vai realmente precisar. Na hora de montar a bagagem de mão, pense no peso que você vai ter que ficar carregando pra cima e pra baixo dentro de aeroporto e avião. Acredite em mim: é um saco ficar carregando peso.
Seja o mais econômico possível: uma malinha + uma bolsa de mão ou uma mochila são mais do que suficiente. Se você souber arrumar, vai caber tudo e ainda sobrar espaço.
Detalhe: se você for viajar em alguma companhia aerea low cost (aquelas com vôos mais baratos, bem comuns na Europa, e que você paga a mais para despachar a bagagem), elas só aceitam um volume de mala de mão, sem chororô. Não dá nem o direito das mulheres carregarem uma bolsa. É só um volume. Se você quiser - e é o que muita gente faz -, você coloca a bolsa dentro da mala. 

Mas, vamos as dicas para fazer uma mala leve e só com o essencial.

Primeira dica e importantíssima: muita gente não lembra, mas leve uma muda de roupa extra, caso perca alguma conexão ou a mala seja extraviada (a não ser que você esteja voltando para casa, em um vôo sem conexão).
É um peso extra? É, mas é um peso que quebra um galho grande! Ah, mas tem seguro viagens que cobre essa despesa, caso você tenha sua mala perdida pela companhia aérea ou perca a conexão. Sim, cobre, mas, para evitar essa dor de cabeça - e se você chegar de madrugada e não tiver nada aberto?! -, é melhor se prevenir.

Itens 1 - Roupas extras
Pijama
Camisa
Roupas íntimas
Quando estou viajando para um lugar frio, coloco também na mala de mão um casado bom, bem quente, uma segunda pele extra, e um sweater também extra.

Segunda dica: as companhias aereas também não permitem que a gente despache, dentro das malas de porão, equipamentos eletrônicos, por questão de segurança. Eles também sugerem que objetos muito delicados ou que quebram você carregue também com você no avião. Ou seja, tudo que é de valor e que quebre, coloque na mala de bordo. 

Itens 2 - Eletrônicos e objetos delicados
Carregadores (se no avião tiver tomada, coloco o carregador de celular na bolsa)
Chapinha
Câmera
Computador
Objetos frágeis

A bolsa é algo que eu carrego sempre comigo, ou seja, fica perto, consequentemente eu coloco os itens que com certeza eu vou usar, para não ter que ficar abrindo e fechando o maleiro, e não incomodar quem está do meu lado.

Na bolsa vai...
Travesseiro - para as minhas frustradas tentativas de dormir (eu não consigo dormir... ultimamente até consigo cochilar, mas dormir é muito difícil)
Ipad - para passar o tempo
Fone de ouvido
Celular - serve como câmera fotográfica também
Carteira - dinheiro, documentos, cartões
Chiclete - para evitar dor no ouvido nos pousos e decolagens
Livro ou revista - para passar o tempo
Meia - no avião eu tiro o sapato e fico só de meia
óculos de sol e de grau
Sweater - caso fique com frio
Necessaire 1 com: 
remédio de dor de cabeça e alergia
Lenço de papel - para emergências
Escova + pasta de dente + fio dental
Algodão
Necessaire 2 com: itens líquidos.

Nessa necessaire com itens líquidos eu não coloco shampoo, condicionador e sabonete, porque em todo hotel tem, e é uma coisa fácil de comprar e de achar.
Itens da necessaire de líquidos (lembrando que tem que ser transparente e que tudo dentro dela tem que ter menos de 200ml):
Desodorante
Creme de mãos
Cremes de rosto
Protetor solar
Sabonete líquido
Água termal
Álcool gel
Lipbalm
Removedor de maquiagem
Rímel

Levo também na bolsa um mini kit de maquiagem, com itens que eu possa fazer uma maquiagem básica (com blush, sombra, iluminador, corretivo e lápis). Sim, eu vou para o aeroporto com a maquiagem básica, mas quando entro no avião tiro tudo.

Fica a dica:

*Beba bastante água durante todo o vôo. Eu fico com a pele muito seca - também por isso eu tiro a maquiagem -, principalmente a boca, o nariz e as mãos. Por isso, levo sempre uma água termal para borrifar no meu rosto, sempre passo um lipbalm na boca e um creminho nas mãos.

*Não deixe de caminhar durante o voo. Eu só viajo na janela, e sei que é uma chatisse incomodar quem está do seu lado para você se levantar, mas não torne isso um motivo para você não andar. Ficar muito tempo sentado é ruim para suas pernas, para a circulação do seu sangue dentro do seu corpo, e pode causar um monte de problema sério. Então levante-se e fique um tempo em pé. Vá conversar com as aeromoças, ou tomar uma água, pedir um suco. É importantíssimo esticar o corpo, fazer alongamento nas articulações, na cabeça e nas pernas.

*Se estiver na classe econômica, respeite o seu colega atrás: nas refeições, suba a sua cadeira! Se você não faz isso, a pessoa atrás fica super apertada para comer, porque a mesa dela fica presa atrás da sua cadeira, e com sua cadeira baixa, a pessoa atrás fica sem espaço para comer.

*Quando as luzes estiverem apagadas, não converse alto. Tem muita gente que aproveita o momento avião para super fazer a social. Nada contra! Adoro conhecer pessoas novas e converso bastante no avião (odeio gente com nariz em pé), mas fale baixinho, para não atrapalhar o descanso de outros. Nem todo mundo quer e precisa saber da sua história!

*Quando o avião pousar, para sua própria segurança, espere as luzes apagarem para tirar o cinto. Já vi gente, que desobedeceu a regra, cair e bater com a cabeça, no braço da cadeira, porque ficou com pressa, abriu o cinto antes, levantou antes, e o avião não tinha estacionado. Todo mundo vai ter sua vez de sair, não adianta ter pressa. Se você está com uma conexão curta, avise a aeromoça antes do pouso. Ela irá orientá-lo em como proceder da melhor forma, sem você precisar passar por cima de todo mundo, ou empurrar as pessoas quando estiverem tirando os seus pertences. Seja paciente! Não esqueça a gentileza em casa. 

Bom, agora eu quero saber de vocês: como e o que levam na mala de bordo?!
Alguma dica para compartilhar?!

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Vivendo a Segunda Guerra na Anne Frank Huis

Tente segurar as lágrimas. Já aviso que a tarefa vai ser difícil.
A casa da Anne Frank, como eu já tinha comentado aqui no blog quando falei de lugares para conhecer em Amsterdam que foram filmadas cenas do filme A Culpa é das Estrelas, é mais do que um lugar imperdível de Amsterdam, é como voltar no tempo, na época da Segunda Guerra Mundial.
Estátua em homenagem a Anne - Foto: Entretulipas

Annelies Marie Frank foi uma menina alemã e judia que ficou escondida em Amsterdam, nos fundos de uma casa junto com sua família e amigos - num total de 8 pessoas!! -, na época em que os alemães perseguiram os judeus com a desculpa de que eles eram "sangue ruim".
Ela escreveu um diário que virou um livro muito famoso no mundo inteiro por retratar, pelas palavras de uma menina de 15 anos, o sofrimento dessa família.
As páginas originais desse diário estão expostas na Anne Frank huis que nada mais é onde eles ficaram escondidos durante quase dois anos - 1942 a 1944 - antes de serem descobertos pelos alemães.
Anne morreu, junto com sua mãe, em um campo de concentração, na Polônia. 
Seu pai foi o único sobrevivente do grupo, e foi ele quem descobriu o seu diário e resolveu publicá-lo - a primeira edição é datada de 1947!!
A ideia do museu, que foi fundado em 1960 e é na realidade uma instituição e foi fundado pelo pai de Anne, é estimular o respeito, a tolerância e condenar o preconceito.
Quarto de Anne no esconderijo - Fonte: Anne Frank Huis

Ir na Anne Frank huis é como sentir tudo isso. É ver com os próprios olhos o medo da família que ficou tanto tempo escondida naquele esconderijo. Ao passar pelos cômodos, você se pergunta como tantas pessoas conseguiram conviver em um espaço tão pequeno? A necessidade e vontade de viver era maior do que qualquer coisa.

Eu já li o livro duas vezes e foi impossível segurar as lágrimas ao visitar a casa.
Segundo alguns jornais falam, o diário da Anne Frank foi lido por Mandela na prisão, e serviu de inspiração para as lutas do líder.
Museu da Anne Frank - Fonte:  (Nesse site, em inglês, inclusive tem várias fotos).

O único problema do museu da Anne Frank ou Anne Frank huis é que não é um lugar totalmente acessível, infelizmente. Como todas as casas antigas holandesas, o museu é cheio de escadas. Para o esconderijo da família da Anne, as escadas são ainda piores: mas estreitas e degraus bem altos.

Dá para baixar o guia do museu online em português, aqui.
Antiga porta da casa - Foto: Entretulipas

Como visitar?
As filas para comprar ingressos são quilométricas, por isso é super indicado e mais confortável comprar o ingresso online com bastante antecedência, se você não quiser ficar duas horas na fila.


Região da Anne Frank Huis - Foto: Entretulipas

Onde?
A região onde fica a casa é liiiinda. Depois da visita ao museu, vale a pena dar uma caminhada na região do Jordaan, uma das mais charmosas de Amsterdam. Tudo bem que Amsterdam é uma cidade fofinha, mas o Jordaan é mais simpático ainda por causa das lojas, bares, ... É um lugar que tem um ar diferente, sabe?! Não sei explicar em palavras.
Igreja que ela escutava as batidas dos sinos
Foto: Entretulipas
Por isso, acho super válida a caminhada do centro até lá. Indo devagar, será uma caminhada de mais ou menos 20 minutos. Se você estiver cansado, ou não puder caminhar, os trams (bonde) 13, ou 14 ou 17 te levam direto para a Central Station.
O endereço:
Prinsengracht 263 - 267
Amsterdam

Quanto?
Comparado aos museus mais famosos da cidade, o preço da Casa da Anne Frank está ótimo. O ingresso para adultos custa 9 euros.
Para os adolescentes, de 10 - 17 anos, e estudantes custa 4,5 euros. De zero a nove anos a entrada é franca, também para os portadores do Museumkaart.

Vale a pena dar uma olhada no site deles sobre os horários de funcionamento, que variam bastante durante o ano. Ah, e fiquem ligados também nos dias que o museu fecha.

"Que maravilha é ninguém precisar esperar um único momento para melhorar o mundo." - Anne Frank.

Como montar uma viagem? Dicas de planejamento para realizar sonhos, comendo bem, se hospedando em lugar legal e passeando muito.

Um pouco mais de 70% dos contatos que recebo é: "estou indo passar "X" dias na cidade "Y", dá para conhecer alguma coisa do país?" Aí tem os clássicos:  o que ver, onde ficar, como me descolar, onde comer?!


Muita calma nessa hora. 

Vamos pensar um pouco. Já dei dicas aqui no blog recentemente em como montar um roteiro de passeios. O post ficou bem completinho e, antes que você continuar lendo esse post, indico você ler o anterior primeiro.


E ai, leu? Então vamos ao planejamento.




Não existe receita a ser seguida.

O "tempo" necessário para ver tudo ou nada é você quem vai fazer. Vai depender do ritmo da sua viagem, da sua idade, do que você gosta e do que não gosta de fazer, e o quanto você quer investir na viagem. A mesma regra vale para onde você vai se hospedar e onde quer comer.


Vamos pensar juntos....

Eu monto roteiros personalizados - tanto de viagens, quanto de intercâmbio - e, assim como eu estudo sobre os locais quando estou programando a minha viagem (ou escrevendo um post para vocês) de acordo com o meu gosto, faço o mesmo com os meus clientes. A diferença é que, algumas vezes, eu não os conheço taaanto assim, então eles preenchem um formulário para eu saber como eu vou montar a viagem. 

A maior e melhor regra para montar um roteiro, para qualquer lugar que você vai, é definir o quanto você quer investir nessa viagem. Você não pode - e nem deve! - gastar o que não tem. Mesmo que você queira muuuuito ir no restaurante "X" ou "Y" super hiper renomado, não dá para sentar na mesa se você não tem como pagar. Pense que haverão outras oportunidades para isso ou, se ainda tem um tempo para a viagem, veja se não dá para guardar um dinheiro para ir no tal restaurante. Você pode até não gostar de cálculo, mas se você pensar que fazer conta de somar e subtrair irá facilitar e muito sua viagem, não irá doer tanto assim fazer umas continhas.


Depois de definir seu orçamento, coloque no papel quais os lugares que você tem muita vontade de visitar e o preço de cada um: o museu da Anne Frank, o Rijksmuseum, ou a Maurishuis, ou ir no Zaans Schans, ou conhecer o ir no mercado de queijos em Alkmaar, etc. 



Feito isso, você vai ter uma noção do valor a ser investido em cultura.



Qual a melhor forma de se deslocar?
Resposta fácil e simples: andando! É só nas ruas que você sente a cidade, a sua dinâmica, as pessoas, o idioma falado, as luzes, os edifícios e casas, e é o unico transporte gratuito.
Em segundo lugar eu indico o transporte público. Na maioria dos lugares do mundo, o transporte público funciona e te leva para qualquer lugar de forma rápida. Ok, no Brasil a realidade não é bem essa, mas em outros lugares do mundo deslocar-se de metrô ou ônibus é mais rápido do que de taxi. Isso porque muitos centros urbanos estão cheios de automóveis, o que torna o deslocamento de veículos mais complicado, fora a dor de cabeça e valores que você vai ter para estacionar ou pegar um taxi. Uó! 
Trams do transporte público de Amsterdam 
Na Holanda e em alguns outros países, como na capital da França, em Paris, a bicicleta também é uma excelente opção. A diferença é que em alguns lugares não há ciclovias, o que requer mais atenção. Não se esqueça! Como todo transporte guiado, você tem que conhecer as regras antes de sair por aí pedalando, então vale a pena dar uma pesquisada antes de alugar uma bicicleta, para não correr o risco de levar uma multa. É um transporte simples, fácil, divertido e barato. Só não vai deixar para aprender a pedalar durante a viagem (a não ser que o sentido da viagem seja esse!).
Bikes - Foto: Entretulipas



E a hospedagem?

Hospedagem boa é aquela em que você tem uma boa noite de sono, um banheiro limpo e o hotel / pousada está bem localizado - de fácil acesso a transporte, próximo aos principais locais que você vai visitar e em uma região segura. Para descobrir isso, vale dar uma lida em blogs, consultar amigos que já foram ou moram no destino, ler guias ou revistas sobre o que você está planejando.
Essa é a minha regra e, partindo desse princípio, faço buscas usando o Booking, para procurar hoteis e pousadas,  e o Airbnb (se vou passar bastante tempo), para buscar apartamentos para alugar.


Feito isso, você vai ter uma noção de quanto vai gastar por dia na despesa mais cara da viagem, que é a hospedagem e, consequentemente, vai saber quantos dias pode ($$) ficar.

Restaurante Tuyn - Foto: Entretulipas

O mito: comer bem só gastando muito.

Vou te contar um segredo: descobrir os sabores da viagem pode ser a melhor parte! #gordinhafeelings 
Falando sério, não tem graça nenhuma você ir a França e não comer um baguete pelo menos uma(s) vez(es). 
Já fiz muitos passeios só de mochila pela Europa, e foi uma das melhores experiência que já tive, mas mesmo assim nunca fiquei só no Mc Donald´s para economizar na comida. 
Então aí vai: há, sim, como economizar nas refeições sem gastar horrores e comendo MUITO bem. Se o orçamento está apertado para as refeições, tome um bom café da manhã, passe no supermercado no almoço ou coma um lanche rápido, e vá em um bom restaurante no jantar.
Dalí Coccina - Foto: Entretulipas
E, posso falar uma coisa?! Nem sempre o restaurante mais caro significa o melhor.
No meu caso, sempre quando estou planejando a viagem, converso com amigos residentes dos lugares e leio alguns blogs, em busca de recomendações que se aproximem do meu gosto e que não fujam do meu orçamento.
Costumo sempre dar dicas de lugares bacanas para comer, como o Raful, em São Paulo, ou o Tuyn, em Maragogi, ou o Dalí, em Recife, que não são lugares acessíveis e de comida MUITO boa.
Afinal, os sabores também marcam uma viagem!

Compras de souvenirs
Talvez vocês já estejam cansados de saber dessa dica, até porque eu já falei bastante aqui, mas vale ressaltar que as lembrancinhas nos pontos mais movimentados normalmente são mais caras. Lógico, que tem coisas que você só encontra na lojinha daquele museu, como réplicas e objetos mais específicos, mas se você busca economia, vale fugir dos pontos mais turísticos, onde você deve encontrar preços melhores para os souvenirs.
Se o seu destino é outlets e shoppings, não esqueça de colocar também no orçamento o valor que você vai gastar comprando.

Com planejamento, ninguém precisair preso - Foto: Entretulipas em Londres

Lembrando que...
Essas regras servem para qualquer destino, seja Londres, seja Paris, Pequim, Tóquio, Miami ou qualquer lugar. Eu usei lugares na Holanda para exemplificar. 
Outra coisa que é bom reforçar: não existe receita certa. Isso é a forma que eu faço, e que dá certo para mim. Se você leu isso tudo vai ver que a fórmula perfeita é o planejamento. Se você se planeja, nem se você se perder na cidade será um problema. Pelo contrário, será divertido!
Quem quiser, aqui tem uma planilha simples, já com os cálculos, que vocês podem baixar e usar para planejar suas viagens. Selecione FILE (ARQUIVO) > FAZER DOWNLOAD COMO MICROSOFT EXCEL e pronto. Abra o arquivo no seu computador e preencha os espaços em branco com as informações, e ela vai dar o valor total do orçamento. :)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

[Crônica] Curiosidade mata?

Quantos patinhos tem na foto? - Foto: Entretulipas
Janelões... portas para curiosos olhares.
Aberturas imensas que alimentam o instinto de buscar.
O que será que o menino está fazendo nessa janela?! Porque tão assustado?!
Olhares atravessados, em busca de pescar qualquer informação.
Leves conferidas.
Curioso para contar quantos patinhos tem na foto? Porque tantos?
Ouvidos atentos a qualquer sinal ou ruído
A mente pronta para fazer julgamentos
Mas porque os janelões nas casas?!
Holandeses têm fama de curiosos? Depende do ponto de vista.
Seria preocupação com a vida alheia? Eles usam o ditado: preocupe-se com você, não com ou status.

Não adianta negar que você não é curioso. Você é a partir da hora que abriu esse artigo, olhou para essa foto, procurou o menino. 
E por falar nele, cadê ele?! Use a boa curiosidade para encontrar.

A boa curiosidade é muito útil para estudar, pesquisar, procurar, informar. A curiosidade sadia alimenta a mente, a alma e nos dá a maior riqueza: conhecimento! Uma das curiosas lições que holandeses te ensinam.

Seja curioso com as oportunidades que você vai poder escolher.
Tenha curiosidade com o que a vida pode te oferecer no próximo... segundo.


terça-feira, 22 de julho de 2014

5 motivos para você ir à Parada Gay de Amsterdam

A Holanda é um país rotulado como liberal, por causa do casamento gay, sexo nos parques, maconha liberada, etc.
Não gosto de rótulos. Acredito que não devemos julgar nada, e precisamos viver certas coisas para tirarmos interpretações.

Sim, em geral os holandeses são tolerantes, mas como um colega brasileiro que mora na Holanda sempre fala: não quer dizer que todo mundo é. 
Há de se concordar que os os holandeses são mais frios que nós, brasileiros. Ou seja, os holandeses são pessoas mais difíceis de conquistar. Eles não são muito de abraçar e beijar. 
De novo: há as exceções, mas no geral eles são assim. Porém, quando você os conquista, eles te confiam a vida, e você conhece pessoas completamente diferentes da primeira impressão. 

Definitivamente, aqui, a primeira impressão não é a que fica. Por isso, não julgue o produto pelo rótulo, ou o livro pela capa.
Os holandeses têm um humor negro, que muita gente não gosta, e não se adapta. Eles fazem piada que muitas pessoas podem considerar como de mal gosto, mas é porque eles são extremamente diretos, e detestam rodeios. Chato? Para muitas pessoas pode até ser, mas se você está aberto a entender a cultura, você aprende a lidar.

Muitos os consideram como pessoas tristes, porque o país é frio, venta muito, e chove bastante durante o ano inteiro. Eu discordo. Acho os holandeses pessoas super felizes, praticam esporte o ano inteiro, vão para todo lugar de bicicleta, tem um país pequeno, mas com muitos parques nacionais, patinam no inverno nos canais, aproveitam o calorzinho do sol, sabem os limites do respeito e da educação, são super independentes e, quando podem, sabem fazer festa. 

A Parada Gay de Amsterdam é uma das mais famosas do mundo. Não só pela festa enorme que é - que festa, viu?! -, mas também porque muita gente participa, do mundo inteiro, não só os holandeses.
Logo da Amsterdam Gay Pride

Resolvi listar aqui 5 motivos que tornam a Parada imperdível para todos, e porque vale a pena estar na Holanda no início de Agosto para participar desse grande e importante evento.

Somos todos iguais: tolerância.
O sentido maior da parada é esse, e eu acredito que não há melhor forma de lembrar que ninguém é superior ou diferente de ninguém.
Talvez a festa seja o melhor momento de mostrar que não existe distinção entre as pessoas. Ricos, pobres, brancos, negros, mulçumanos, judeus, heteros, homos, brasileiros ou holandeses. Somos todos seres humanos, e no fundo eventos como esse servem para lembrarmos disso. Longe de mim dar lição de moral, até porque aprendo todos os dias, mas conversando com amigos holandeses e lendo sobre o evento, acredito que é essa a mensagem que eles querem passar.


Crianças, jovens, adultos e velhinhos sem restrições, como em um carnaval, todo mundo junto e misturado podem brincar.
Os holandeses tem orgulho de algo que eles construiram, que é essa tolerância, onde não há preocupação com julgamentos, fazendo com que todos entrem no sentido da parada.

Há também os que não curtem tanto a bagunça que é feita na cidade - tão grande quanto a do Dia do Rei -, mas não há quem não abra um sorriso para a irreverência, e quase todos apoiam o sentido.


A cidade pintada de rosa
Balões, decorações, plumas. A cor rosa vai parar nas casas, na roupa das pessoas - meninas e meninos! -, nos carros e até nos sacos de lixo!
Não esqueça de usar algum acessório pink. ;)



Irreverência
Te garanto que você vai dar, no mínimo, boas risadas com as figuuuuras que aparecem. Gente vestida do que você menos imaginar, muitas cores, música, pessoas pintadas, vários idiomas, pesoas do mundo inteiro. Uma animação só!
Olha o bote salva-vidas - Foto: Entretulipas
Festinhas particulares, com comes e bebes - Foto: Entretulipas
Pelos canais
Olha se você quer alugar um barco nesse dia, é bom reservar com bastante antecedência, mas vale a pena. Os canais ficam um caos, mas no bom sentido. Cada barco faz sua festa particular, em que todos participam e interagem com os outros barcos e com as pessoas nas ruas. Música, comes e bebes e dança. Nesse dia, não dá para navegar com pressa.
Fica a dica: existem alguns barcos oficiais que têm grandes festas, e você pode comprar o ingresso. Vale a pena dar uma olhada no site se você topar aproveitar a festa da forma mais irreverente e mais holandesa possível.



Festa nas ruas
As festas não são só nos canais, mas nas ruas, casas e bares também. A decoração rosa entra na casa das pessoas, que reunem-se com grupos de amigos - e agregados (sempre tem os furões!) -, ou vão até os bares na beira dos canais, tudo para ver o desfile de barcos passar.



É ou não imperdível?! 
Em 2014, a semana do orgulho Gay de Amsterdam começa no dia 26, e a Parada acontece no dia 2 de agosto, para encerrar com chave de ouro a semana.
Mais informações vocês encontram no site da Parada, inclusive como comprar ingressos para os barcos mais animados da festa.

Lembrando que...
Para os que estão chegando na cidade nesse dia ou indo embora, lembrem-se que esse tipo de festa acarreta em mudanças no transporte público. É bom programar-se antecipadamente nesse sentido.


Vamos a La Playa, ô ô ô ô. A praia - sem água de coco - da Holanda

Isso mesmo. Vocês não leram errado, dá sim para ir à praia na Holanda.
Zandvoort aan Zee, uma das praias holandesas,  no verão, em um dia quente - Foto: Entretulipas

Bom, vamos ser honestos que o verão holandês não é lá essas coisas. Durante os três meses de verão, você terá, no máximo, uns 20 dias de temperaturas realmente quentes, na faixa dos 28 - 30 graus.


Zandvoort aan Zee no verão também, mas em um dia mais frio. Notem a quantidade de surfistas no mar - Foto: Entretulipas

Para mim isso é uma boa notícia, já que eu nasci em um lugar que faz MUITO calor o ano inteiro (para quem não sabe, sou pernambucana), mas eu prefiro as temperaturas mais baixas.
Nada de palmeiras e nem coqueiros em Zandvoort aan Zee. - Foto: Entretulipas

Tá bom, eu confesso que sou rata de praia - vocês podem comprovar pela quantidade de posts sobre as praias do Nordeste brasileiro aqui no blog -, e eu concordo que a melhor associação que podemos fazer com a palavra verão é... praia!

Vale lembrar que as praias que estamos acostumados a ver tem água de coco, coqueiros, águas quentinhas e azuis, uma boa caipirinha, vários ambulantes caminhando o dia inteiro no sol escaldante (coitados!), vendendo até caldinho de feijão, e areia branquinha. 

Vocês vão me olhar e dizer: o quê?! Eu sei, esse é o padrão Nordeste do Brasil. Mas, vamos combinar que em todo o Brasil encontramos pelo menos uma coisa em comum em todas as praias: água de coco!


Verão está para praia, assim como água de coco está para o verão.
Minha mãe me ensinou que não existe praia sem água de coco bem geladinha e bem docinha. E, depois que a gente termina de tomar a água de coco, o moço da barraquinha tem que abrir para a gente comer a laminha do coco. Hummm, que delícia! 
O quê?! Nunca provou? Não sabe o que está perdendo.

E se não tem água de coco, não tem praia? Não tem verão? Bom, pelo menos não para os holandeses!
Carinha de espanto!
Foto tirada as 21h!! - Foto: Entretulipas
Isso mesmo! Nada de água de coco. Água do mar congelante e marrom, muito vento, areia mais escura do que as brasileiras, nada de coqueiros, palmeiras ou qualquer árvore, apenas vegetação rasteira. Porém, o verão aqui têm sol até às 22h!!
Carinha de espanto 2!


Pois é... Na Holanda venta MUITO, até porque o país fica abaixo do nível do mar, como eu já falei aqui algumas vezes. Por isso, são raras as praias que você vai encontrar alguma árvore. 
Cadê os coqueiros, as palmeiras?! - Foto: Entretulipas

No entorno da praia a vegetação é rasteira. Em Zandvoort, por exemplo, fica um parque Nacional, com as chamadas Dunas - que não tem nada a ver com as dunas de Natal, no Nordeste Brasileiro. São mini morros, com areia fina branca, e com vegetação rasteira, e em algumas partes você pode encontrar renas e búfalos.

Olha lá as renas! É comum ver próximo ao pôr do sol, e só de longe. Se a gente chega perto, elas correm. Notem a vegetação mais baixa, devido ao vento e ao solo mais arenoso - Foto: Entretulipas

Dunas e os bambis - Fotos: Entretulipas

Kite e Windsurfing
Voltando para as praias, por ventar muito, torna o lugar ideal para a prática desses esportes ligados ao vento. Tenho uma amiga que ela é louca por Kitesurfing, e já super me convidou para testar. Eu expliquei para ela que apenas meus pés aceitam as gélidas águas do mar holandês, e que vai demorar a convencer o resto do meu corpo a ter essa experiência congelante. Veremos...


Pôr do sol - Fotos: Entretulipas

Matando a fome
Quanto ao comércio, não há aqueles ambulantes que existem nas praias brasileiras. Há clubes, que em algumas praias desmontam sua estrutura no inverno e montam no verão, com música, bebida, comida, etc. A noite viram casas de festa. Muuuuito animado.
Ah, e há lojinhas intinerantes dentro de uma carroça puxada por um trator, e vendem batata frita e sorvete!

Olha lá a carrocinha e o trator! Todos correm para comprar seus lanches - Fotos: Entretulipas

Um dos clubes da praia - Foto: Entretulipas

Como em todas as praias do mundo que tem areia, crianças e adultos se divertem fazendo castelinhos, brincando de bola, frescoball, correndo com o cachorro, fazendo churrasco, etc.
Nos dias mais quentes, muitos arriscam entrar na água, que é bem marrom e congelante.

Cadeirinhas confortáveis, música, comes e bebes - Foto: Entretulipas

Roupa ou trajes de banho?
Quando eu postei fotos na praia, a alguns meses atrás, no Instagram, muita gente perguntou porque eu estava de calça e não de biquini. Primeiro porque estava na primavera, não estava tããão calor assim. Até estava de biquini, mas por baixo da roupa. Como eu sabia que não ia entrar na água, e eu não estava com tanto calor, fiquei de roupa mesmo.
Como vou à praia pedalando, quase sempre vou de tênis, e lá troco pela amada havaianas. Os holandeses fazem quase a mesma coisa. A diferença é que os não vão com a roupa de banho por baixo, trocam lá na hora. 

Não vi chuveiros, daqueles ao ar livre, daqueles que nas praias brasileiras têm para você tirar o sal ou refrescar-se, sabe qual é?! Visto que os holandeses que mergulham no mar consideram esse mergulho como um banho, então não espere que quando eles cheguem em casa vão tomar banho, lavar o cabelo, tirar o sal, feito nós fazemos. Talvez por isso a falta do chuveiro na praia. Eles não vêem como necessário.
O máximo que você encontra são cadeirinhas, com uma escovinha, para você tirar a areia dos pés ao ir embora.
Hora de limpar os pés. Escovinha e cadeirinha na saída - Foto: Entretulipas

Belíssimos pôres do sol - Foto: Entretulipas

O que levar?
Para a praia? O de sempre, o que você levaria para qualquer praia - toalha, protetor solar, bola, baldinho, água, suquinhos, frutas, chapeu, etc -, exceto a bebida alcóolica, que não pode ser consumida em ambientes públicos, a não ser dentro de um restaurante ou bar. Dá para fazer um churrasquinho - inclusive eu já dei a dica aqui de onde comprar a churrasqueira descartável -, mas só com suco e refrigerante! hahaha E não esqueça de recolher o seu lixo.

Dica extra do que fazer na praia:
Visitar um museu! Hã? Isso mesmo! Lá em Zandvoort tem um museu contando sobre os barcos de pesca, animais que são encontrados nos mares da Holanda, coisas que já foram encontradas nas praias, conta um pouco dos ataques da Alemanha à Holanda, na Segunda Guerra, etc. Achei bacana. Pena que é tudo em holandês.

Museu sobre a praia, em Zandvoort aan Zee. É bem pequeno, mas tem bastante coisas interessantes, como objetos achados na praia (desde baldinhos até chupetas) - Fotos: Entretulipas
E para quem quiser também, tem várias lojinhas, bares, restaurantes, bem bacanas no centrinho de Zandvoort, ou próximo as praias mais movimentadas.



Centrinho de Zandvoort aan Zee. É como se fosse uma vila de veraneio, com várias lojinhas e restaurantes, próximo a praia. - Fotos: Entretulipas

Resumo da ópera: fez calor? Corra para a praia! Pode ser para os parques também, ou para o jardim, ou para a beira do canal, ou, porque não, para um passeio de barco pelo canal? É o momento ideal de recarregar a bateria da vitamina K, a vitamina da felicidade. 
Aqui o que vale é refrescar-se com a brisa, sem água de coco!

Parques lotados nos dias de calor - Foto: Entretulipas

Água de coco só de caixinha, no supermercado. :) - Foto: Entretulipas